13 de julho de 2009

Freedom

Você me terá sempre que quiser, contanto que não me queira para sempre. Porque partindo do pressuposto de que eu venero a liberdade que me é imposta, não posso vir a pertencer a ti. Peço que me compreendas e se necessário até me perdoes visto que a culpa não existe, mas o descaso permanece pairando sobre toda essa conjuntura, e creio eu que esse descaso é proveniente de minha pessoa que ao mesmo tempo em que anseia em ser tua, tem um romance com ela – a liberdade – portanto esse triangulo amoroso perpetuara até que um dos catetos arrebate a hipotenusa ou no caso meu coração tão padecido e retificado, que aguarda ansiosamente pelo resultado desta guerra, sem fundamentos para alguns e até mesmo para você, fundamentos que acredito somente a essência do meu eu conseguir compreender. Então fica aqui meu apelo que você e “ela” conversem já que prefiro não intervir visto que meu poder de persuasão nesta situação pode mudar o rumo da conversa e ser definitivo. Novamente volto a me desculpar e sem entender muito porque as vezes tenho certeza que temos que ser um triangulo, mas essa já é uma outra conversa e que eu já sei o resultado.

[...]

ALL WE HAVE TO DO NOW
IS TAKE THESE LIES AND MAKE THEM TRUE SOMEHOW
ALL WE HAVE TO SEE
IS THAT I DON'T BELONG TO YOU
AND YOU DON'T BELONG TO ME

Freedom 90 - George Michael (fikadika)

[...]



2 comentários:

Amanda Luíze disse...

Simplesmente perfeito, Ray.
Achei perfeita a forma como você escreveu.

Beijão

Nine disse...

é EXATAMENTE isso!!!
a vontade de pertencer a alguem, de entregar o coração, e ainda o anseio pela liberdade...
incrivel!!!perfeito!!!
obg pela visita...
vc tinha razão...
passa!!!
=)
forte abraço querida...
mais uma vez, amei seu texto!!!
;)